Bom dia a todos. O tema de hoje é: “A duração da lei de Deus”.
Que diferença há entre a maneira como tratou com Abraão e o modo como Ele deu a Lei no Sinai?
Mais importante que a diferença ou o modo, é necessário saber que Abraão tinha uma convicção muita grande da grandiosidade de Deus, e os israelitas, após o cativeiro de quatro séculos ou mais, haviam perdido de vista a grandeza de Deus e Seus elevados padrões morais.
O povo precisava ter uma conscientização de sua pecaminosidade e da santidade de Deus. Certamente o Sinai alcançou esse objetivo.
Para entender o que Paulo quis dizer quando afirmou que a lei foi adicionada no Sinai, até que viesse o Descendente, veja em outras realidades, o que a mesma expressão “Até que” significa.
“O seu coração, bem firmado, não teme, até que veja cumprido, nos seus adversários o seu desejo”. Salmo 112:8. Isso significa que após ter triunfado, ficará com medo? Não!
Veja estas palavras de Jesus: “Tão-somente apeguem-se com firmeza ao que vocês tem, até que Eu venha”. Apocalipse 22:5. Teria Jesus dito que, após Sua vinda não necessitaríamos mais ser fiéis? De maneira nenhuma!
Paulo não quis afirmar que a lei dada por escrito no Sinai terminaria com a vinda de Cristo.
O que Paulo queria dizer era que a vinda de Cristo marcou um momento decisivo na história humana. Cristo pôde fez o que a lei jamais poderia fazer: prover o verdadeiro remédio para o pecado, justificar os pecadores, e por Seu Espírito, cumprir Sua lei neles.
Tenham todos um ótimo dia.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário