Adão, Onde Estás?
“Quando ouviram a voz do Senhor Deus, que andava no jardim pela viração do dia, esconderam-se da presença do Senhor Deus, o homem e sua mulher, por entre as árvores do jardim. E chamou o Senhor Deus ao homem e lhe perguntou: Onde estás?” Gênesis 3:8-9.
“Onde estás?” É a primeira pergunta de Deus.
É uma pergunta retórica?
Pois, Deus sempre sabe onde estamos. O Senhor sabia onde Adão e Eva estavam.
Hebreus 4:13, NVI. “Nada, em toda a criação, está oculto aos olhos de Deus. Tudo está descoberto e exposto diante dos olhos daquele a quem havemos de prestar contas”.
Salmo 33:13-14, NVI. “Dos céus olha o Senhor e vê toda a humanidade; do seu trono ele observa todos os habitantes da terra”.
Onde estás? É um resumo das seguintes questões: Quem você é?
De onde você veio? O que você faz aqui? Para onde você está indo?
Onde estas? Remete ao princípio da vida. Na resposta a essa pergunta está o DNA da existência.
Circunstâncias da pergunta:
No Éden, após o pecado.
No contexto do medo.
O princípio do medo é o resultado da quebra do relacionamento que é o primeiro efeito colateral da transgressão.
Será que existe uma resposta que possamos dar? Mesmo não sabendo, ou não tendo o que responder, em algum momento da existência, cada um de nós precisa ser confrontado com essa questão.
Deixar-se envolver por essa pergunta significa refletir sobre si mesmo, sobre a própria história. Seria mais ou menos fazer uma reflexão sobre: que sentido tem a minha vida? Que valor têm os meus sentimentos? Que sentido têm as minhas alegrias e as minhas dores? Por que a minha vida é assim?
Mais que uma curiosidade de Deus, a pergunta representa uma bússola para o homem de hoje, para o homem de sempre, para cada um de nós, empenhados que estamos na difícil arte de aprender a ser homens e mulheres de verdade.
Abrir-se para essa pergunta de Deus nos dá a possibilidade de iluminar a questão das questões. O verdadeiro sentido da vida.
“Onde estás?”. Com essa pergunta Deus se dirige ao Adão de hoje, que somos nós. Estudantes, jovens, moços e moças, professores e alunos, pastores e membros. A nós que frequentemente nos sentimos confusos.
O homem pós-moderno vive à procura do auto conhecimento. Esta, sempre foi a realidade do ser humano. Eu diria que essa é uma das muitas coisas que o pecado nos roubou. O homem perdeu a capacidade de conhecer a si mesmo.
Blaise Pascal, físico, matemático, filósofo e teólogo francês do século 17, definiu o homem como: “Nada em relação ao infinito, tudo em relação ao nada, um ponto intermediário entre o nada e o tudo”.
Só o criacionismo bíblico cristão dá estrutura para enfrentar a pergunta de Deus. Para quem não conhece ou não aceita sua real origem, a sensação de desorientação existencial aumenta a cada dia.
Nós precisamos estabelecer uma relação harmoniosa do homem com o próprio homem, com Deus, com os outros homens, e com tudo o que foi criado.
Muitos estão perdidos, porque para a maioria a vida não tem sentido.
“Ninguém está mais perdido do que aquele que não sabe onde se encontra: não sabe de onde vêm nem para onde vai”.
Vamos voltar ao Paraíso.
Existe dentro de cada um de nós um imorredouro sentimento: SAUDADE DE DEUS! Quer ver?
Ao ouvir os passos de Deus, Adão se apressa em esconde-se atrás de uma árvore. Porém, ao ouvir a voz do Senhor, o mesmo Adão sai correndo de seu esconderijo, revelando assim a irresistível saudade de Deus que cada um de nós traz no coração.
Vivemos nos escondendo atrás das árvores do orgulho, do egoísmo, da vaidade, do medo ou da superficialidade.
Não é fácil vir para fora, a descoberto, e deixar-se atingir pela potência da pergunta de Deus. Onde estás?
Muitas vezes preferimos nos desculpar. Nossas desculpas parecem verdadeiras sequoias, mas nem mesmo elas conseguem nos esconder.
Mais que esconder-se de Deus, Adão tentou esconder-se de si mesmo.
A finalidade da pergunta de Deus é destruir nossa capacidade de nos escondermos do Criador, dos outros e de nós mesmos.
O “Onde estás?” de Deus nos confere novas energias para abandonarmos comportamentos e atitudes negativas.
Adão sou eu, Adão é você. É a nós que ainda hoje Deus pergunta: Onde estás?
Seria o mesmo que perguntar:
O que você quer ser na vida?
O que você quer fazer da sua vida?
Como você vai usar sua vida?
Pense um pouquinho no seu mundo, o estudo, os afazeres, a família, os amigos.
Qual será nossa resposta.
Sair de detrás das árvores que nos escondem significa deixar de ter uma vida de segunda categoria. Uma vida de segunda categoria é ser pouco de mim e muito dos outros. É não ser verdadeiro, mas artificial.
“Onde estás?” é uma pergunta eterna, que nos permite provar o sabor da vida. E mais, impede-nos de sermos pessoas insípidas, isto é: sem sabor.
“Onde estás?” é a pergunta de um Deus que se manifesta ao homem como o recriador. Da nossa vida, da nossa autoestima, dos nossos relacionamentos, da nossa família, da nossa história.
Aceitar o “Onde estás?” de Deus não é uma fuga da dor mas é a decisão de atravessar a dor, de mãos dadas com o Criador.
Mesmo que você não aceite, existe dentro de cada um de nós um desejo infinito de ser encontrado por Deus, pelo Deus da Bíblia.
O Adão moderno também precisa deixar se encontrar com Deus.
Você conhece a história de Abraão, Moisés, Ana, Davi, Pedro, Paulo de Tarso, e outros grandes homens e mulheres da Bíblia.
Todos têm uma característica em comum: foram encontrados por Deus. Somente depois de serem encontrados por Deus, tornaram-se, por sua vez, pessoas capazes de despertar nos outros a mesma saudade e o desejo de serem buscados e encontrados por Deus.
“Onde estás?” é uma pergunta que não deve ser feita somente uma vez e uma vez para sempre. É preciso que se tenha paciência, e que a respiremos todos os dias.
Onde estás, para que eu possa te ajudar? Onde estás, para que eu possa te ajudar a encontrar o teu lugar no plano de salvação?
O sentir de Adão antes e depois da pergunta de Deus.
Antes medo, escondido, desconfiado.
Depois, confiante, conhecedor do plano da redenção, vendo um novo horizonte.
A primeira pergunta de Deus pra Adão não foi, o que você fez? Ou, porque você pecou? Mas, sim, Adão, onde estás?
A principal preocupação de Deus, não é o pecado propriamente dito, o problema do pecado já foi resolvido na cruz do calvário, o principal problema depois que pecamos é para onde o pecado nos leva. Judas traiu Jesus e se dirigiu para uma forca, Pedro negou o Mestre, mas ao saber que o mesmo havia ressurgido, correu para ver o túmulo. Acredito fielmente, que se Judas se apresentasse perante a cruz e suplicasse pelo perdão de Jesus, Ele o perdoaria naquela mesma hora, e uma nova e linda história poderia ser contada a respeito dele, como foi com Pedro.
O arrependimento traz vida, mas o remorso pode nos levar à morte, 2 Coríntios 7:10.
Adão e Eva tentaram inutilmente se esconder de Deus, e todos nós sabemos que isso é impossível. O salmista declara: “Se subir ao céu, lá tu estás; se fizer no inferno a minha cama, eis que tu ali estás também”. Salmo 139:8.
Deus queria que Adão conhecesse outras verdades que ainda não conhecia. O fruto do conhecimento do bem e do mal não fora capaz de revelar a Adão o tamanho do amor de Deus.
Quando procura por Adão, Deus lhe afirma: seu pecado não diminuiu Meu amor por você, filho! Nada que você faça será capaz de diminuir o meu amor por você!
Deus não desistiu de Adão.
Tente perceber Deus pregando o evangelho para Adão. Anunciando a vinda do Messias, e dando à raça humana a esperança de que em Cristo podemos ter nossos pecados lavados, tornando-nos mais alvos que a neve.
Não precisamos nos esconder!
Temos em Deus nosso refúgio!
Deus nunca desiste de nós!
A pergunta de Deus é para nos abençoar!

Pastor Stina
Pastor Sênior da Igreja do UNASP-SP
18/06/2016

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário