4. Pentecostes – Lev. 23:15-22.
Introdução:
As três primeiras festas, páscoa, pães asmos e primícias, aconteciam simultaneamente e estavam relacionadas com a primeira vinda de Jesus à Terra. Elas marcam a obra redentora de nosso Senhor Jesus Cristo já realizada.
Morte, sepultamento e ressurreição.
Hoje vamos tratar sobre a festa do Pentecostes.
Vamos à Palavra de Deus.
Levítico 23:15-22. “Contareis para vós outros desde o dia imediato ao sábado, desde o dia em que trouxerdes o molho da oferta movida; sete semanas inteiras serão. Até ao dia imediato ao sétimo sábado, contareis cinquenta dias; então, trareis nova oferta de manjares ao Senhor. Das vossas moradas trareis dois pães para serem movidos; de duas dízimas de um efa de farinha serão; levedados se cozerão; são primícias ao Senhor. Com o pão oferecereis sete cordeiros sem defeito de um ano, e um novilho, e dois carneiros; holocausto serão ao Senhor, com a sua oferta de manjares e as suas libações, por oferta queimada de aroma agradável ao Senhor. Também oferecereis um bode, para oferta pelo pecado, e dois cordeiros de um ano, por oferta pacífica. Então, o sacerdote os moverá, com o pão das primícias, por oferta movida perante o Senhor, com os dois cordeiros; santos serão ao Senhor, para o uso do sacerdote. No mesmo dia, se proclamará que tereis santa convocação; nenhuma obra servil fareis; é estatuto perpétuo em todas as vossas moradas, pelas vossas gerações. Quando segardes a messe da vossa terra, não rebuscareis os cantos do vosso campo, nem colhereis as espigas caídas da vossa sega; para o pobre e para o estrangeiro as deixareis. Eu sou o Senhor, vosso Deus”.
CENA 4 – Pai entra com filha acompanhando segurando cada um pão fermentado, grande e bonito. Vem da lateral da igreja onde está a casa.
50 dias após a Festa das Primícias, mais ou menos Maio-Junho.
Essa festa coincidia com a época da colheita do trigo.
A origem da festa do Pentecostes é na realidade baseada em uma antiga tradição hebraica, chamada Shavuoth, e que significa Semanas.
Para os judeus, o pentecostes era uma celebração de agradecimento à Deus pela colheita. Na verdade era uma celebração da colheita, das bênçãos de Deus.
Representa o Espírito Santo.
Jesus prometeu em nome do Pai, outro Consolador.
No Novo Testamento: “Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem”. Atos 2:1 e 4.
Esta Festa é também chamada de Festa das Semanas ou Festa da Colheita. Ao cumprir o Dia de Pentecostes, Jesus envia o Espírito Santo para revestir sua Igreja de poder do alto para que ela seja testemunha do seu evangelho tanto em Jerusalém, como na Judeia, Samaria e até aos confins da terra.
“E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder”. Lucas 24:49.
Esta festa acontecia cinquenta dias após a Festa das Primícias e marca a inauguração da era da Igreja. Nesse dia Pedro deu início a obra de evangelização dos povos, alcançando quase três mil almas, numa só cruzada evangelística, que é o trabalho que Jesus deixou para que os seus discípulos realizem até que Ele retorne.
O pentecostes vinha cinquenta dias depois da apresentação do molho movido no dia das primícias.
Como era apresentado o molho movido no princípio da colheita, antes que coisa alguma da nova produção fosse usada, assim vinha o Pentecostes ao fim da ceifa de todo o grão, representando o jubiloso reconhecimento por parte de Israel. De sua dependência de Deus como doador de todas as boas dádivas.
Na celebração da páscoa, era particularmente recomendado que não se devia comer nem ter nenhum fermento. No pentecostes deviam-se apresentar dois pães, e se recomendava: “levedado se comerão”. Verso 17.
O molho movido é “Cristo, as primícias”. Sem pecado. O pão não é criação imediata de Deus, em parte é obra do homem. É uma oferta imperfeita, misturada com fermento. Mas é aceita.
O pentecostes simboliza o derramamento do Espírito Santo. Primícias mais 50 dias Pentecostes.
50 dias entre a ressurreição de Cristo e o derramamento do Espírito no pentecostes. Atos 2:1-4.
Quarenta desses dias Cristo passou na terra instruindo e ajudando os discípulos. Atos 1:3. Depois, ascendeu ao céu, e por dez dias os onze discípulos continuaram em oração e suplica até se cumprir “o dia de pentecostes”. Com este, veio a plenitude do Espírito.
10 dias de oração em Jerusalém.
No Céu Jesus se apresenta ao Pai.
Subindo Cristo “ao alto, levou cativo o cativeiro, e deu dons aos homens”. Efésios 4:8. Aqueles que haviam ressuscitado por ocasião da morte de Cristo, “saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dEle”, subiram com Ele ao céu, e foram apresentados perante o Pai como uma espécie de primícias da ressurreição. Mateus 27:52 e 53.
No livro o DTN, páginas 619-621, E. G. White narra os momentos desde a ascensão de Cristo até ao Pentecostes. 10 dias emocionantes no Céu.
O Deus Filho apresenta o relatório de Seu ministério ao Deus Pai. O Pai aceita e o Filho então solicita presença eterna dos Salvos. Deus aceita e manda que o Universo inteiro adore ao Filho. Todos se prostram diante do Príncipe da Vida.
“Assim que terminou esta cerimônia, o Espírito Santo desceu sobre os discípulos em abundantes correntes, e Cristo foi na verdade glorificado, com aquela gloria que, durante toda a eternidade tivera com o Pai. O derramamento pentecostal foi a comunicação feita pelo Céu, de que estava concluída a sagração do Redentor. Segundo sua promessa, Ele enviara o Espírito Santo a Seus seguidores, como penhor de que, como sacerdote e rei, recebera toda a autoridade no Céu e na Terra, sendo o Ungido sobre Seu povo”. Atos dos Apóstolos, 38.
Apelo:
Conexão entre as duas festas.
As primícias, produto da terra. Obra de Deus. Cristo, sem defeito.
O pentecostes, pães levedados, mistura do produto da terra com manufatura humana, imperfeitos, mas aceitos.
Nas primícias, Jesus ressuscita.
No pentecostes Deus aceita os que foram ressuscitados com Cristo.
Nós somos imperfeitos, mas pela operação do Deus Espírito Santo, administrando-nos os benefícios do sacrifício de Cristo, o Deus Filho, somos aceitos por Deus, o Pai.

Pastor Stina
Pastor Sênior da IASD do UNASP SP
03/05/2016

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário