Bom dia a todos. O tema de hoje é: “Hagar e o monte Sinai”.
No Sinai, Deus queria compartilhar com os filhos de Israel a mesma relação de aliança que havia compartilhado com Abraão.
Êxodo 19 se parece muito com Gênesis 12. Deus apenas queria que Seu povo ouvisse, nada mais.
“Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar entre todos os povos; porque toda a terra é minha”. Êxodo 19:5.
As palavras guardar e obedecer, neste verso, literalmente significam ouvir. Estas palavras não significam justiça pelas obras, pelo contrário. Deus queria que Israel tivesse a mesma fé que caracterizava a resposta de Abraão às Suas promessas.
Embora tudo seja a mesma coisa, Paulo usou o Sinai para identificar a experiência negativa de Hagar. Deus usou tal experiência para aprofundar a pecaminosidade da humanidade e o remédio da graça abundante de Deus, simbolizada nas cerimônias do santuário.
Na verdade, o problema da aliança do Sinai, não estava com Deus, mas com as promessas defeituosas do povo.
Os israelitas não responderam às promessas de Deus com fé e humildade, mas com autoconfiança.
O povo respondeu: “Tudo o que o Senhor falou, faremos”. Êxodo 19:8.
Assim como Abraão e Sara tentaram ajudar Deus a cumprir Suas promessas, os israelitas transformaram a aliança da graça de Deus em uma aliança de obras.
Hagar e o Sinai tem em comum o fato de representarem duas situações diferentes com a mesma tendência: tentativas humanas de salvação pelas obras.
Tenham todos um ótimo dia.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário