Onde está o Cordeiro?
Gênesis 22:1-19. (5-8)
A Bíblia é o livro das respostas.
É também o livro das perguntas.
Veja algumas perguntas:
Adão, onde estás? Gênesis 3:9.
Acaso para Deus há coisa demasiadamente difícil? Gênesis 18:14.
Até quando coxeareis entre dois pensamentos? 1 Reis 18:21.
Onde estavas tu? Jó 38:4
És tu o rei dos judeus? Lucas 23:3.
O que é a verdade? João 18:38.
Por que me desamparaste? Mateus 27:46.
Quem és tu Senhor? Atos 9:5.
Quem é digno de abrir o livro e lhe desatar os selos? Apocalipse 5:2.
De todas as perguntas da Bíblia, talvez a mais difícil de responder seja a pergunta de Isaque.
Onde está o cordeiro?
Bilão e a Ovelhinha.
Deus escolheu o cordeiro, dócil…
História da Redenção, 50. (Ler)
O contexto. Sara. Abraão. Isaque. Servos. Jumento. Lenha. Fogo. Monte. Sacrifício.
Abraão conhecia Deus de perto.
Deus já havia falado com Abraão outras vezes antes. Não era um ilustre desconhecido.
No chamado de Deus a Abraão.
Quando do anúncio do nascimento de Isaque.
Certamente Deus falou com Abraão outras vezes.
Deus proverá é a resposta certa, quando não existir nenhuma saída.
Diferença entre dedicar e sacrificar.
Dedicar o Toni. Samuel Lilian e Lissa.
A resposta certa vem do Senhor. Provérbios 16:1.
Muitos séculos mais tarde João Batista respondeu a pergunta de Isaque.
João 1:29 e 36, “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”.
“Assim como as estrelas no vasto circuito de sua indicada órbita, os desígnios de Deus não conhecem adiantamento, nem tardança”. DTN, 32.
Gálatas 4:4. “Vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou Seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei”.
Certamente João Batista foi guiado pelo Deus Espírito Santo para usar a palavra certa.
Só no livro do Apocalipse, mais de 30 vezes Jesus é apresentado como Cordeiro.
O Cordeiro no Apocalipse é uma figura com poder absoluto.
O seu sangue dá vitória aos fiéis e lava as vestiduras deles (7:14; 12:11).
O Cordeiro é o único digno de abrir os selos do livro para revelar e executar a vontade de Deus (5:1-5). Ele é digno, também, de receber a adoração, (5:11-14).
Aparece no monte Sião com os fiéis da terra (14:1).
Ele é um guerreiro vitorioso garantindo a vitória dos fiéis (17:14).
No final do livro, os discípulos são chamados às bodas do Cordeiro (19:7-9).
O Cordeiro é a lâmpada que ilumina a cidade santa.
Isaque é um tipo de Cristo.
E Abraão é uma ilustração de Deus.
Tiago 2:23. “Ora, Abraão creu em Deus, e isto lhe foi imputado para justiça; e: foi chamado amigo de Deus”.
Fazer o apelo com a música do Silmar, cantada por LETÍCIA.

“Quando Adão, de acordo com as especiais determinações de Deus, fez uma oferta pelo pecado, isto foi para ele a mais penosa cerimônia. Sua mão devia levantar-se para tirar a vida, que somente Deus podia dar, e fazer uma oferta pelo pecado. Pela primeira vez teria de testemunhar a morte. Ao olhar para a vítima ensanguentada, contorcendo-se nas agonias da morte, ele devia contemplar pela fé o Filho de Deus, a quem a vítima prefigurava, e que devia morrer em sacrifício pelo homem. Esta oferta cerimonial, ordenada por Deus, devia ser para Adão uma perpétua recordação de sua culpa, e também um penitente reconhecimento de seu pecado. Esse ato de tirar a vida deu a Adão um profundo e mais perfeito senso de sua transgressão, que nada menos que a morte do amado Filho de Deus podia expiar. Maravilhou-se ante a infinita bondade e incomparável amor que podia dar tal resgate para salvar o culpado. Ao matar Adão a inocente vítima, pareceu-lhe estar derramando o sangue do Filho de Deus por sua própria mão. Sabia que se tivesse permanecido firme em Deus e leal à Sua santa lei não teria existido a morte de animais nem de homens. Todavia, nas ofertas sacrificais, que apontavam para a grande e perfeita oferta do amado Filho de Deus, aparecia a estrela da esperança para iluminar o escuro e terrível futuro e aliviá-los desta completa desesperança e ruína”. História da Redenção, 50.

Pastor Stina
IASD UNASP-SP
08/08/2015

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário